Saturday, February 23, 2008

.
.
.
.

- O seu olhar tem qualquer coisa de música tocada a bordo dum barco, no meio misterioso de um rio com florestas na margem oposta
.
.
.
.
.
Veste teu ser do ouro da tarde morta, como um rei deposto numa manhã de rosas, com Maio nas nuvens brancas e o sorriso das virgens nas quintas afastadas. E o som da água acompanhe tudo esto como um entardecer ao pé de margens, e o rio, sem sentido salvo correr, eterno, para marés longínquas.
Atingirás assim o ponto supremo da abstenção sonhadora, onde os sentidos se mesclam, os sentimentos se extravasam, as ideias se interpenetram.
.
.
. .
.
.
todas as naus são naus de sonho
logo que esteja em nós o poder de as sonhar
.
.
.
.
.
Perfumes estonteantes
atiram-me embriagada
sobre os cetins roçagantes
da minha colcha encarnada
.
.
Turva hora onde
Principia a noite
E o dia se esconde
.
.
Nunca deixo saber aos meus sentimentos
o que lhes vou fazer sentir
Brinco com as minhas sensações
como uma princesa cheia de tédio
com os seus grandes gatos prontos e cruéis
.
.
.

.
.
Em espasmos delirantes,
numa posse insaciada -
rasgo as sedas provocantes
em que me sinto enrolada!
.
.
.

.
.
Olha como vai escurecendo!

.

Hora de abandonos

Em que a gente esquece

Aquilo que somos

E o tempo adormece
.
.

.
.
Tomo o cetim às mãos cheias.
Sinto latejar as veias
na minha carne abrasada!
.
.
Nevoenta hora
Hora de ninguém
Em que a gente chora
Não sabe por quem.
.
.
Torcem-me o corpo desejos
mordendo o cetim com beijos

numa ânsia desgrenhada.
.
.
.
Na alcova mórbida e morna
a antemanhã de lá fora
é apenas um hálito de penumbra
.
.

E tudo se esconde
Nessa hora onde
Por estranha magia
Brilha o sol de noite
E o luar de dia.
.

.
.

.
.
.
.
Judith Teixeira. A Minha Colcha Encarnada, in Noite de Dezembro - Horas de Febre
Natália Correia. Turva Hora Onde, in Rio de Nuvens
Fernando Pessoa / Bernardo Soares. Livro do Desassossego
Imagens, Colette Calascione
.
.
.
.

2 comments:

peregrino said...

Tenho as retinas incendiadas de deslumbramento, fomentado pela visão das virgens nas quintas afastadas, de Bernardo, e dos espasmos delirantes da “princesa nua” que rasga os “véus de tule” em que se sente enrolada, de Judith, e, ainda, a “íris” constrita a “oiro e brasa” na aparição mágica da nereida que aqui trouxeste, na turva hora, de Natália, onde principia a noite e se ergue, nos céus levantinos, a lua pálida. :)

Os termos em itálico foram retirados do “post”, e os aspados transcritos do poema “Distante Melodia”, de Mário de Sá- Carneiro.

Um abraço.

Anonymous said...

Post muito bem pensado e feito, abre caminho para "poesias" de encantamento.
Mas...também respira o ar das coisas palpáveis, das portas que encerram volúpias sentidas, da vida crua e quotidiana.
Imagens e palavras em osmose prática, delírio irreprimível que se solta a cada instante, porque cada momento pode ser único.

Com requinte.

eusébio